16/06/2020 - 01:06h - 129

Covid-19: Governo do Amapá vai reforçar linha de frente com 350 mil EPI's para profissionais de saúde

Entre os produtos, estão: macacões, aventais, viseiras e luvas. Eles serão distribuídos para unidades de saúde da rede estadual.
Covid-19: Governo do Amapá vai reforçar linha de frente com 350 mil EPI's para profissionais de saúde

O Governo do Amapá vai reforçar a linha de frente no combate à covid com mais de 350 mil itens de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) recebidos da Usina Hidrelétrica Cachoeira Calderão nesta segunda-feira, 15. O material será distribuído pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) aos profissionais  que atuam nas unidades da rede estadual.

Entre os produtos recebidos, estão: macacões, aventais, viseiras e luvas, itens essenciais para a proteção de trabalhadores que atuam no combate à doença. As entregas foram realizadas no Almoxarifado da Sesa, em Macapá.

Para o gestor da Sesa, Juan Mendes, as contribuições reforçam o trabalho do Estado para conter o avanço da doença no Amapá e garantir a proteção dos profissionais de saúde e a assistência aos pacientes.

“Estamos passando por um momento em que o exercício da cooperação faz muita diferença no combate à covid-19. Ações como essa refletem na vida dos profissionais e, consequentemente, nas vidas dos pacientes acometidos pelo coronavírus. Fica aqui nosso reconhecimento”, destacou Juan Mendes.


Outras parcerias

O Governo do Amapá tem buscado parcerias para ampliar os estoques de insumos e EPIs. Diante do cenário causado pela pandemia, a iniciativa privada, Bancada Federal e outras entidades do Brasil têm contribuído para ajudar na ampliação dos estoques, evitando que haja o desabastecimento.

Um exemplo disso, foi a parceria com a empresa L'oreal Brasil. A cooperação assegurou 20 mil unidades de álcool gel para profissionais de saúde, aldeias indígenas e populações vulneráveis.

LEIA TAMBÉM: Governo do Amapá recebe 20 mil unidades de álcool gel para reforçar combate à covid-19

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vem alertando para a escassez no mercado e o aumento do consumo em até 100 vezes em relação à demanda normal. Segundo a organização, os preços subiram até 20 vezes mais.