15/06/2020 - 16:06h - 144

Covid-19: estudo científico do Coesp aponta estabilização da taxa de transmissão do vírus

Os números são influenciados por Macapá, que representa em torno de 60% da população do Estado.
Covid-19: estudo científico do Coesp aponta estabilização da taxa de transmissão do vírus

Em 7 de junho o Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública (Coesp), coordenado pela Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS), apresentou o parecer técnico e científico sobre a epidemia do coronavírus no Amapá. O documento trouxe informações sobre a situação epidemiológica do vírus no Estado e conclui que medidas de prevenção coletiva e de controle da covid-19 devem ser mantidas.

Medidas de isolamento social contribuíram para redução da transmissão do vírus, provocando uma leve tendência de diminuição de casos, entretanto, os dados apresentados são diretamente influenciados pelo comportamento social, ou seja, as taxas de transmissão podem aumentar se o isolamento social não for seguido.

Macapá tem forte influência nesses dados, pois representa em torno de 60% da população de todo Estado. Outros municípios apresentam situação epidemiológica diferente em relação à progressão da pandemia.
  
Capacidade de testagem
 
O Governo do Amapá tem feito vários esforços para ampliar a capacidade de testagem para coronavírus. Além do Laboratório Central (Lacen/SVS) e um laboratório contratado pelo Estado, está sendo realizado teste rápido nos profissionais da linha de frente e enviadas amostras ao Instituto Evandro Chagas em Belém (PA) e à Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro (RJ). Até o dia 5 de junho, já foram testadas 49.942 pessoas.

LEIA TAMBÉM: Governo do Amapá envia para Fiocruz 5 mil amostras para análise de covid-19
 
Casos recuperados
 
O numero de casos recuperados também se destaca no estudo, com o crescimento da curva diária de recuperação aumentanto gradativamente. No dia 6 de junho o Amapá tinha 12.722 pessoas infectadas e 5.930 recuperados.
 
Pico de notificação
 
O estudo ainda apresenta que entre os dias 10 e 16 de maio houve um aumento efetivo de notificações, mantendo na semana seguinte, entre 17 e 23 de maio, leve redução e posterior declínio nas outras duas próximas semanas. Esses dados podem representar o pico de notificação da doença entre os dias 10 a 16 de maio. Entretanto, esses dados podem variar de acordo com o comportamento social.
 
Taxa de letalidade
 
No dia 5 de junho, o Amapá apresentava uma média de letalidade de 2,1%, o que está bem abaixo da média nacional de 5,5%. Destaca-se que as medidas adotadas no combate a propagação do coronavírus e de assistência terapêutica precoce aos infetados vêm contribuindo efetivamente para redução da mortalidade por covid-19.

Taxa de transmissão
 
Através de análise da propagação no Amapá realizada por modelagem matemática, elaborada pela Universidade Federal do Amapá (Unifap), é possível identificar o número de reprodução do vírus, identificação chamada R0.

O R0 representa um indice que, ao ser superior a 1, significa que cada pessoa transmite a doença a pelo menos mais uma pessoa e o vírus se dissemina. Se é menor do que 1, cada vez menos indivíduos se infectam e o número dos contágios retrocede.

No dia 6 de junho, o Amapá apresentava taxa R0 = 1,24, ou seja, indicando que ainda há transmissão de uma pessoa para mais uma outra, embora o ideial é a taxa ser inferior a 1 para, assim, iniciar a diminuição da disseminação do vírus. A taxa atual indica que a epidemia caminha para redução da expansão.